Estamos o tempo todo conectados: desde pedir comida por aplicativos até ter aulas ou conversar com aquele parente que mora longe, hoje, mais do que nunca, muitas das nossas atividades rotineiras são permeadas pela internet. 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 64,7% da população brasileira acima dos 10 anos de idade têm acesso à internet. Diante dessa imersão no mundo digital, a medicina não ficou de fora dos serviços on-line.

Prestando serviços de assistência médica à distância, a telemedicina atende milhões de pessoas ao redor do mundo. No Brasil, essa tecnologia vem crescendo, principalmente em tempos de pandemia de Covid-19. Quer saber mais sobre o que é telemedicina? Continue a leitura!

O que é telemedicina?

Atualmente, muito se fala sobre essa plataforma, mas, afinal, o que é telemedicina? É uma consulta médica feita à distância, através de videochamada. A tecnologia foi criada originalmente como uma maneira de tratar pacientes que estavam localizados em locais remotos, longe das unidades de saúde locais ou em áreas com escassez de profissionais médicos. 

No entanto, hoje, a telemedicina está se tornando uma ferramenta para atendimento médico conveniente e necessário. 

Isso ocorre porque o paciente, cada vez mais conectado, não precisa ficar tanto tempo em consultórios médicos esperando para ser atendido. Então, saiba que telemedicina não é a plataforma, mas sim a consulta à distância por videochamadas — quando houver necessidade. Assim, é possível que os pacientes recebam o atendimento com mais facilidade, já que a telemedicina também pode ser agendada e não é necessariamente imediata.

Entenda o que é telemedicina e como a inovação pode te ajudar.

No Brasil, a procura pelo o que é telemedicina e a expectativa por essa forma de atendimento cresceu muito após a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), sendo conveniente ao distanciamento, principalmente após ser regulamentada no país.

Telemedicina em tempos de Covid-19

Em meio à pandemia de Covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus,  a telemedicina trouxe uma luz para a área da saúde, pois a necessidade de tecnologias remotas disparou. 

Afinal, a plataforma que realiza consultas por meio de videochamadas garante uma maneira fácil e rápida de ter atendimento médico sem sair de casa. Dessa forma, tanto médico quanto paciente evitam a exposição ao vírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprova a plataforma para monitorar os pacientes que contraíram coronavírus e para reduzir os riscos de propagação do vírus no deslocamento até hospitais. 

Tendo isso em vista, a telemedicina em tempos de Covid-19 se mostra como eficaz, limitando a circulação dos pacientes, deixando a ocupação de leitos do hospital apenas para casos especiais e o principal: impedindo a propagação da doença.De acordo com especialistas, a telemedicina está preenchendo a lacuna entre pessoas, médicos e sistemas de saúde, permitindo que todos, especialmente pacientes sintomáticos, fiquem em casa e se comuniquem com os médicos por meio de canais virtuais, ajudando, assim, a reduzir a propagação do vírus às populações em massa e às equipes médicas.

Entender como funciona e o que é a telemedicina é essencial em tempos de COVID-19

Ou seja, em tempos de Covid-19, a telemedicina é uma boa opção para aliviar o congestionamento das infra estruturas de saúde existentes. A plataforma é uma solução prontamente disponível que permite que os pacientes deem continuidade aos tratamentos para outras condições.

Como funcionam as consultas e os atendimentos?

O médico precisa escolher uma plataforma para realizar suas consultas, sendo as mais comuns o WhatsApp, o Skype e o Google Meet. 

Na Cia da Consulta, os atendimentos são feitos por uma plataforma própria desenvolvida com tecnologia e segurança da informação, que protege o médico e paciente, e pode ser acessada de qualquer computador, tablet ou celular, sem a necessidade de baixar qualquer aplicativo.

Vale destacar que a consulta é feita da mesma maneira que ocorre no consultório médico. Muitas vezes, exames clínicos não são necessários, podendo uma simples conversa ser suficiente para o médico analisar o quadro e dar um diagnóstico ao paciente. 

Caso o paciente precise de exames e receitas, ele receberá, por e-mail, o documento com uma assinatura digital que tem validade em farmácias e laboratórios.

Contudo, é importante ressaltar que a telemedicina não resolve todos casos, mas consegue atender com excelência aqueles que não apresentam complicações tão complexas. 

Afinal, nas chamadas de vídeo, não é possível fazer alguns procedimentos que comumente são feitos em consultas presenciais, como medir a pressão, contar  os batimentos cardíacos ou observar com mais nitidez a pele ou possíveis secreções na boca, garganta, nariz ou orelhas.

Vantagens e limitações da telemedicina

Como tudo na vida, a telemedicina tem suas limitações. As áreas como ginecologia, urologia e ou as que se relacionam com particularidades do corpo (e algumas vezes precisam de exame presencial) apresentam algumas dificuldades. 

Entretanto, há áreas onde o uso da câmera e microfone podem ser o suficiente. Para pontuar bem o que é a telemedicina, confira suas vantagens e limitações:

Vantagens

  • Conveniência e comodidade: de acordo com uma pesquisa global da Cisco, 74% dos pacientes preferem o acesso fácil aos serviços de saúde em vez de interações pessoais com os servidores. Os atendimentos virtuais oferecem aos pacientes cuidados simples e sob demanda — poupando tempo e dinheiro. 
  • Ampliação do acesso a atendimento de qualidade: a telemedicina consegue atender pacientes que moram longe das unidades de saúde locais ou em áreas com escassez de médicos, fazendo com que essa população tenha acesso à saúde de qualidade;
  • Custo-benefício melhor: os serviços de atendimento e monitoramento remotos e o armazenamento eletrônico de dados reduzem significativamente os custos com serviços de saúde. Além disso, a telemedicina reduz as visitas ao centros de emergência para casos que não são urgentes;
  • Acesso prolongado a especialistas de referência: a telemedicina oferece acesso a um grande leque de especialidades médicas, com isso, os pacientes recebem encaminhamentos para médicos específicos de acordo com a necessidade de cada um, independentemente de sua localização;
  • Protege médicos e pacientes: em tempos de pandemia de Covid-19, a telemedicina faz com que médicos e pacientes não tenham que se deslocar até clínicas ou hospitais, diminuindo a chance de se contaminarem;
  • Na Cia da Consulta você conta com o mesmo médico mais de uma vez para te acompanhar!

Limitações:

  • Receituário controlado: a receita física precisa ser enviada pelo correio, já que não são aceitas no formato digital;
  • Impossibilidade de diagnóstico em alguns casos: dependendo da complexidade do quadro apresentado, o médico não consegue dar um diagnóstico apenas por meio de uma chamada de vídeo, afinal, não são todos os procedimentos que podem ser realizados digitalmente. Em muitos casos, o paciente deverá fazer exames clínicos e, por mais simples que estes sejam, será preciso fazê-los de forma presencial;
  • Dificuldade de uso da internet: em alguns casos, o paciente não possui tanta familiaridade com a tecnologia, o que pode dificultar um pouco o processo de imersão — mas não qualidade — da consulta.

Serviços oferecidos pela telemedicina

É importante ressaltar que, mesmo em tempos de coronavírus, o autodiagnóstico não é recomendado. Pensando na importância de se procurar atendimento médico quando algo não vai bem, confira uma lista de condições comuns que podem ser tratadas por meio da telemedicina:

  • Alergias;
  • Artrite e artrose;
  • Asma;
  • Bronquite;
  • Gripes e resfriados;
  • Diarréia;
  • Infecções;
  • Picadas de inseto;
  • Faringite;
  • Conjuntivite;
  • Infecções respiratórias;
  • Sinusite;
  • Manchas ou irritações na pele;
  • Dores de garganta;
  • Entorses e distensões
  • Infecções urinárias;
  • Lesões esportivas;
  • Vômito.

Um cirurgião, por exemplo, pode usar a telemedicina para fazer avaliações pós-operação com os pacientes, para garantir que a recuperação esteja saudável. Já um ginecologista pode utilizar a plataforma para fornecer aconselhamento sobre controle de natalidade e anticoncepção. Ainda no campo dos exemplos, um endocrinologista pode fazer chamadas de vídeo com os pacientes para discutir resultados recentes de laboratório e responder a perguntas.

De modo geral, a telemedicina pode atender diferentes necessidades médicas, mas, é importante ter em mente que em alguns casos pode ser necessário realizar atendimentos presenciais. 

Vale a pena destacar que a tecnologia chegou para facilitar a vida das pessoas, priorizando, é claro, a saúde e o bem-estar de cada um. Por isso, não hesite em procurar um médico caso sinta algum desconforto ou note alguma anormalidade e nunca considere o autodiagnóstico como uma opção! 

Este artigo foi útil?

Por: Cia da Consulta

Por: Cia da Consulta

Somos uma rede de clínicas que compreende a medicina e repensa a saúde para que a experiência de cuidar-se seja singular, segura e impecável.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende já sua consulta

Visite nosso site, conheça as especialidades e os profissionais e agende no melhor horário para você!

Agendar consulta