Em tempos de pandemia de Covid-19, muitas dúvidas surgem acerca dos sintomas da doença. Por ser uma infecção muito recente, as certezas são poucas. Dentre os sintomas do novo coronavírus, destacam-se: tosse, febre e fadiga. Mas, outros sintomas como falta de ar e dor de cabeça podem acompanhar o quadro. A seguir, saiba como identificar essas condições e se elas têm relação com a Covid-19 ou com outras doenças e condições.

Falta de ar e dor de cabeça podem ser sintomas de Covid-19?

Falta de ar e dor de cabeça podem, sim, ser sintomas de Covid-19. Geralmente a doença está associada a outras condições, como febre, tosse e fadiga. A falta de ar relacionada ao coronavírus costuma aparecer entre o quarto e décimo dia depois do início da infecção.

É importante ressaltar que esse é um sintoma grave da doença. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 19% a 35% das pessoas infectadas apresentam dificuldade para respirar.

A falta de ar por si só não significa que a pessoa está com Covid-19, porém, quando ela se inicia com quedas repentinas na saturação de oxigênio sem que o paciente tenha feito muito esforço, os médicos podem diagnosticar a doença, eliminando outras possibilidades.

Agora, quando o paciente apresenta falta de ar associada aos principais sintomas da doença (febre e tosse), a chance de testar positivo para a infecção pelo novo coronavírus cresce. 

Mas, afinal, e a dor de cabeça? É um sintoma da Covid-19? Apesar de não ser um dos principais sintomas, a dor de cabeça pode acompanhar o quadro da pessoa diagnosticada com a doença. Porém, os sintomas associados ao coronavírus são muito semelhantes aos de uma gripe ou resfriado. Por isso, é importante sempre se consultar com um especialista antes de qualquer constatação.

Além dos sintomas mais comuns da Covid-19, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos incluiu outros seis sintomas que podem estar relacionados à doença. Confira:

  • Tremores e calafrios que não somem;
  • Dor muscular;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta;
  • Perda recente de olfato ou paladar.

Ainda de acordo com o CDC, a combinação de alguns desses sintomas pode se manifestar entre 2 e 14 dias após a pessoa ter sido infectada pelo vírus. Por esse motivo, na apresentação de sintomas combinados da Covid-19, é importante ficar em casa em um cômodo isolado, monitorar os sintomas e procurar orientação profissional por meio do telefone ou atendimento online antes de ir ao hospital. 

Porém, na presença ou persistência de problemas respiratórios, procure um atendimento médico de emergência, já que pode indicar um estágio mais avançado da doença.

Outras causas para sentir falta de ar

Geralmente, a falta de ar está associada a problemas pulmonares ou cardíacos, contudo, há outras causas para a dificuldade de respirar. A seguir, confira as mais comuns:

Doenças respiratórias

Uma das causas mais comuns da falta de ar são as doenças respiratórias, das quais muitas exigem o uso das famosas “bombinhas”.

A falta de ar é muito comum em pessoas que apresentam problemas respiratórios, principalmente durante a prática de atividades físicas. Dependendo da gravidade do distúrbio, a pessoa pode sentir dificuldade para respirar mesmo o corpo estando em repouso. Confira algumas das principais doenças que tem como sintoma a falta de ar:

  • Asma: é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas que pode ser gerada ou agravada por fatores ambientais e genéticos. O pulmão das pessoas asmáticas é mais sensível, fazendo com que a exposição a agentes externos, como poeira, ácaros e fungos, diminua a passagem de ar pelos brônquios. Como consequência, a pessoa apresenta sintomas como falta de ar, chiado e aperto no peito;

Leia mais: Asma. O que é, causas, sintomas e tratamento

  • Bronquite: é caracterizada por uma inflamação nos brônquios, fazendo com que as vias aéreas fiquem comprimidas. Como consequência, sintomas como catarro, falta de ar e chiado no peito aparecem;

Leia mais: Bronquite [Guia Completo] Sintomas, Tratamentos e Cura

  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC): é uma das doenças mais conhecidas justamente por sua relação com a capacidade respiratória. De início, os sintomas podem ser leves, provocando tosse e falta de ar, mas, conforme a doença progride, o simples ato de respirar pode se tornar cada vez mais difícil;
  • Pneumonia: geralmente, pessoas com pneumonia apresentam sintomas como febre alta, tosse, catarro e dores no corpo. Mas outros sintomas menos comuns podem surgir durante uma pneumonia, entre eles, falta de ar.

Leia mais: Pneumonia: Tudo o que você precisa saber

Ataque cardíaco

Fique atento, pois faltas de ar muito frequentes podem se relacionar com a saúde do coração!

Apesar de os sintomas mais comuns incluírem dor na parte mediana do tórax que pode se irradiar para as costas, o maxilar ou o braço esquerdo, de maneira menos frequente, sintomas como vertigem, desmaio, sudorese, náusea, taquicardia e falta de ar podem surgir em pessoas que estão tendo um ataque cardíaco.

Insuficiência cardíaca

Pacientes com quadro de insuficiência cardíaca podem desenvolver dispneia paroxística noturna, que nada mais é do que uma falta de ar repentina que ocorre quando a pessoa está dormindo, além disso, a pessoa pode acordar com falta de ar. Nesses casos, a dispneia se apresenta de uma forma mais intensa, caracterizando um quadro grave de insuficiência cardíaca.

Anemia

As pessoas que têm anemia possuem uma quantidade menor de glóbulos vermelhos no sangue, os quais realizam o transporte de oxigênio para os tecidos. Como consequência, essas pessoas podem sentir falta de ar em tarefas cotidianas mais intensas, como limpar a casa, ou durante a prática de exercícios físicos.

Ansiedade

A falta de ar também pode estar associada a quadros da ansiedade patológica, como ocorre em um ataque de pânico. Nesses casos, sintomas físicos são percebidos, entre eles: sensação de falta de ar, náusea e taquicardia.

Reação alérgica

As reações alérgicas podem desencadear sintomas como falta de ar nos indivíduos afetados. Os motivos que desencadeiam essas reações incluem, principalmente, tomar um remédio ou comer algo que te dê alergia ou ser picado por algum inseto. Dependendo de como seu organismo reagir a uma substância que te dá alergia, a falta de ar pode aparecer.

Falta de condicionamento físico

Geralmente, pessoas que não estão acostumadas a praticar atividades físicas sentem mais o impacto dos exercícios, por conta da falta de condicionamento físico. Como consequência, em atividades de maior intensidade ou duração, essas pessoas podem sentir falta de ar. Além disso, pessoas com sobrepeso sofrem mais nesses casos, mas é válido ressaltar que aquelas com um peso saudável também podem ser afetadas.

Obesidade

O sobrepeso e a obesidade podem fazer com que o indivíduo sinta falta de ar enquanto está deitado ou dormindo. Isso acontece pois o excesso de peso reduz a capacidade de expansão dos pulmões no momento em que o ar está entrando, além de afetar as vias aéreas superiores, podendo causar obstrução alta e falta de ar e apneia noturna.

Leia mais: Obesidade. Tipos, causas e tratamento

Mais do que dificuldade para respirar: o que acontece quando sentimos falta de ar?

Quando sentimos falta de ar, três coisas podem estar acontecendo: 

  • O oxigênio pode não estar chegando aos pulmões (asma, obstrução de vias aéreas altas por alergia ou obesidade, menor expansão, etc);
  • O oxigênio pode não estar atravessando para o sangue (edema pulmonar, fibrose, etc); 
  • O sangue pode não conseguir absorver esse oxigênio (anemia, insuficiência cardíaca). 

Como já foi citado acima, há diversas causas para que isso ocorra, ansiedade, asma e anemia são alguns exemplos. É necessário frisar a importância de se procurar um médico quando a falta de ar dura mais de meia hora ou acontece de maneira frequente.

Nessas situações em que é difícil respirar, a falta de ar pode vir acompanhada de alguns sintomas, como:

  • Sensação de aperto no peito;
  • Sensação de necessidade de respirar mais rapidamente;
  • Sensação de que seu corpo está ficando sem oxigênio;
  • Falta de fôlego cada vez mais intensa.

Sinais de alerta

Em pessoas com dispneia (falta de ar), alguns sintomas e condições demandam mais cuidado, confira quais são eles:

  • Fraqueza nos músculos, principalmente naqueles envolvidos na respiração, como o diafragma;
  • Condições respiratórias crônicas acompanhando a falta de ar, como asma;
  • Níveis baixos de glóbulos vermelhos;
  • Tabagismo;
  • Falta de ar com o corpo em repouso;
  • Perda de consciência;
  • Dor no peito ou batimentos acelerados e fortes;
  • Perda de peso;
  • Sudorese.

O que fazer para evitar a falta de ar?

1. Preste atenção na respiração

Práticas como meditação e yoga, que voltam a atenção para a respiração, podem ajudar com a dificuldade para respirar em alguns casos.

Atente-se para como o ar entra e sai do seu organismo. O correto é o ar entrar por meio do nariz e sair pela boca. Pode ser útil separar alguns momentos do dia para verificar como está sua respiração, afinal, o corpo lida diferente com cada situação, como raiva, ansiedade e estresse. 

Com a prática e com o tempo, a partir de algumas técnicas, é possível aprender a controlar a respiração. Confira um exercício simples para começar a praticar:

1. Deite-se colocando as mãos no abdômen;

2. Respire profundamente pelo nariz, expandindo o abdômen. Dessa forma, os pulmões vão se encher de ar;

3. Feito isso, segure a respiração por alguns segundos;

4. Em seguida, solte o ar devagar pela boca, esvaziando os pulmões;

5. Repita esse exercício durante um período de 5 a 10 minutos.

Esse procedimento pode ser realizado várias vezes ao dia ou quando estiver sentindo falta de ar. Para resultados melhores, continue respirando lentamente e profundamente mesmo após o término do exercício. 

Leia mais: Como meditar corretamente: veja dicas para a prática

2. Evite fumar

O tabagismo pode desencadear problemas respiratórios, por isso, é possível que alguns fumantes sintam falta de ar, respiração ofegante e cansaço.

3. Mantenha a casa limpa e arejada

Tendo em vista que muitas vezes a falta de ar é desencadeada por agentes causadores de alergia, como ácaros, manter o ambiente doméstico limpo e arejado é fundamental.

4. Mantenha-se no peso ideal

Como já foi citado anteriormente, a obesidade ou o sobrepeso é um fator que pode desencadear falta de ar. Por esse motivo, é importante se manter no peso ideal.

5. Siga as recomendações do médico

Se você possui qualquer doença ou condição que cause falta de ar, como asma ou bronquite, é imprescindível seguir o tratamento recomendado pelo seu médico. 

Embora em alguns casos seja possível realizar tratamentos caseiros para a falta de ar, não hesite em procurar um médico, afinal, apenas um especialista será capaz de avaliar seu quadro de maneira individualizada para, assim, dar o diagnóstico correto e indicar o melhor tratamento para o seu caso. 

Gostou do conteúdo? Então compartilhe para que mais pessoas possam ter acesso a essas informações! Além disso, visite nosso blog para aprender mais sobre o tema!

Referências: 

Manual MSD

Organização Mundial da Saúde (OMS)

Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Ministério da Saúde

Este artigo foi útil?

Por: Cia da Consulta

Por: Cia da Consulta

Somos uma rede de clínicas que compreende a medicina e repensa a saúde para que a experiência de cuidar-se seja singular, segura e impecável.

Comentários

  • Lucia Barbosa

    07/09/2020 | 08:21:26

    Muito bom

  • Lucia Barbosa

    07/09/2020 | 08:20:57

    Muito bom!!!!

  • Nilza Maria Sardinha Ribeiro

    05/09/2020 | 08:34:32

    Mto bom o artigo. Claro e conciso. Sou portadora da Asma brônquica. Terrível. Mas tá +/- controlada.

  • Ana Lúcia Virtuoso

    02/09/2020 | 08:56:03

    Amei toda explicação pra vocês dou nota dez

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende já sua consulta

Visite nosso site, conheça as especialidades e os profissionais e agende no melhor horário para você!

Agendar consulta